Posts

0009223688X-1920x1280

Veja como fazer um bom currículo

Um currículo bem elaborado pode ser o seu passaporte para o emprego desejado.  Porém alguns deslizes podem destruir qualquer chance antes mesmo de haver um contato pessoal. Objetividade é a palavra-chave para fisgar a atenção dos recrutadores.

Saiba como provar que você é o candidato ideal para o cargo em questão:

Evite erros básicos de informações cadastrais

Não conseguir encontrar o profissional é muito frustrante para o contratante.  Tenha certeza que seu telefone e e-mail estão corretos. Nunca utilize um e-mail ou telefone corporativo da empresa que está trabalhando no seu currículo!

Currículo muito extenso

Os recrutadores precisam ter acesso à informação de forma rápida. Um currículo de 10 páginas provavelmente nem vai ser visto. Se você já passou por muitas empresas é importante que faça uma lista e inclua somente as experiências mais importantes para a vaga em questão. Dê preferência para experiências mais recentes.

Currículo muito curto

Nem oito, nem oitenta. Um currículo sem conteúdo também não despertará atenção.  Se não tem experiência profissional você pode incluir, além dos dados básicos, informações pessoais e formação acadêmica, analise sua trajetória até agora, e experiências que poderiam contribuir para a oportunidade profissional.

Evite chavões

Ser comunicativo, proativo, qualificado ou esforçado são apenas palavras que todo recrutador lê muitas vezes por dia. É importante dar exemplos de situações que já passou e que comprovem tais qualidades.

Falta de veracidade no currículo

Quando o profissional erra ou omite informações sobre uma passagem profissional pode ser muito prejudicial.  Isso pode ser descoberto pelo entrevistador na checagem de referências até na própria carteira profissional contratação.

2014-01-29-gtec-2

O networking como estratégia para uma carreira de sucesso

O networking é uma questão de estratégia para a carreira. É necessário que a gente tenha uma rede de relacionamento profissional porque essa rede é o que nos dá suporte nos momentos de dificuldade. Um bom networking ainda abre chances para uma oportunidade de trabalho, divulgação do seu trabalho, enriquecimento pessoal, além de proporcionar novas oportunidades, seja nos negócios ou na vida pessoal. Planejar como montar esta rede é essencial. Siga os passos a seguir:

  • Defina uma área que lhe interesse;
  • Monte uma lista das pessoas relacionadas ao assunto;
  • Tente participar de seminários e eventos sobre o tema de interesse e eventos sociais;
  • Ligue para as pessoas não somente quando você precisar de alguma coisa. Ligue agradecendo quando recebeu um convite, nos aniversários ou simplesmente para trocar uma ideia. Agora se o motivo da ligação for para pedir um favor, perceba se a pessoa realmente entendeu suas intenções;
  • Atenção para não falar só de você, não escutar os outros, pensar só em você ou falar mal dos outros;
  • Marque presença junto à sua rede de relacionamentos, visite as pessoas do seu ambiente de trabalho eventualmente e mantenha um bom relacionamento;
  • Mande e-mail para a sua rede e mantenha o contato permanente com as pessoas;
  • Tenha as redes sociais como uma ferramenta importante para o contato com novas pessoas. Mas lembre de adotar um critério para adicionar somente as pessoas que tenham interesses comuns aos seus.
2013_05_27_gtecsite

7 perguntas clichês em entrevistas de emprego e como respondê-las

Para se dar bem em uma entrevista de emprego é preciso se destacar. Existem perguntas que fazem parte do roteiro de todas elas. Mesmo as perguntas sendo clichês, as repostas do candidato não precisam seguir essa linha. Cair no lugar comum e ter respostas prontas pode ser motivo de desclassificação nos primeiros minutos de conversa.

Veja como desenvolver respostas criativas para perguntas clássicas em entrevistas de emprego:

“Fale sobre você”

Não repita o que está no seu currículo, enfatize os pontos mais importantes da sua carreira como as realizações e metas.

“Por que você quer trabalhar aqui?”

Fazer uma pesquisa breve sobre a empresa é indispensável para ter uma resposta fundamentada e impressionar o recrutador.

“Quais são seus pontos fortes?”

Escolha citar pontos fortes que condizem com a necessidade do cargo oferecido e justifique com fatos ocorridos.

“Quais são suas principais fraquezas?”

O erro mais comum é citar um ponto forte disfarçado de fraqueza. Reconheça que elas existem, e diga que está trabalhando para melhorar esta falha.

“Como você se imagina em cinco ou 10 anos?”

Você deve demonstrar o comprometimento com a empresa, mostrando que pretende crescer no seu cargo e expandir suas habilidades para benefício próprio e da empresa.

“Como você lida com conflitos?”

Seja objetivo e descreva situações onde já passou por conflitos e soube como resolvê-los.

“Por que devemos contratá-lo?”

Essa é a pergunta mais importante e decisiva. Foque nas suas melhores habilidades e realizações, e convença o recrutador que é a melhor opção para o cargo.

 

Com informações do site Universia

2013-11-07-gtec

Qual o limite da competitividade no mercado de trabalho?

Quando está no seu local do trabalho você se imagina em um jogo? Encontrar pessoas competitivas no ambiente corporativo é cada vez mais comum. Segundo pesquisa realizada pela OfficeTeam aproximadamente 50% dos gerentes entrevistados acreditam que seus empregados são mais competitivos hoje do que há 10 anos. Principalmente em TI, um setor inovador que passa por constantes atualizações, o mercado é ainda mais desafiador.

A constante exigência em relação à qualificação profissional e a segurança do emprego são alguns dos motivos para aumento deste novo perfil de profissional.

Competitividade é saudável para o crescimento e planejamento de metas, porém é preciso estar atento para não extrapolar a linha do bom senso e a ética.

  • Algumas empresas incentivam a concorrência, outras são mais voltadas para trabalhos em equipe. Por isso é importante conhecer a cultura da empresa em que trabalha.
  • A fofoca fará com que você perca a credibilidade entre os colegas de trabalho.
  • Meça as consequências da sua competitividade.
  • Trabalhe com foco no bem da equipe e mantenha uma boa convivência.
  • Seja humilde e não perca o foco no objetivo estabelecido pelo seu superior.
  • Nunca finja ser quem não é. Apropriação intelectual é um erro fatal.

Com informação em matéria da Catho – 05/11/2013

Link de origem

2013-10-18-gtec-site

Três dicas importantes para quem trabalha em TI

Fazendo a mágica acontecer
Projetos com tecnologia que você não conhece bem, com prazos absurdos, podem cair no seu colo. O seu chefe espera que você faça a mágica acontecer: “encontre as minas escondidas nas operações propostas, e oriente a ele/ela em território desconhecido”. A dica para resolver a questão é saber com quem e onde obter essas respostas.

Carregue seu próprio peso
Terminar o que começou e assumir responsabilidade no trabalho é o comportamento esperado pela equipe de TI. A falta de comprometimento é logo percebida por um bom líder e pode tirar você do jogo a qualquer momento.

Continue ampliando conhecimentos
O mercado de TI pede por um profissional à frente das tendências e transformações. Invista em cursos de capacitação, esteja presente em palestras e amplie o seu networking. A busca por conhecimento para além da TI amplia a visão de mercado e auxilia na tomada de decisões.

Para começar com o pé direito, o Geração TEC forma  talentos empreendedores para o mundo da tecnologia. Além do curso de capacitação em TIC, os alunos recebem orientação profissional para o mercado de trabalho por meio de palestras, entrevistas e dinâmicas de grupo.

 

Com informações do site IT Web – 15/10/2013

Link de origem

 

1093387_57560161

Realização profissional ou sucesso financeiro?

Jovens que acabaram de ingressar no mercado de trabalho e profissionais com anos de estrada quebram a cabeça por causa dessa dúvida clássica. No fim das contas, vale a pena trocar a satisfação de fazer o que se gosta por  prestígio ou renda extra?

O indicado é  levar em conta algumas outras vantagens como os benefícios oferecidos, o equilíbrio entre a vida e trabalho, a cultura que a empresa adota, assim como o espaço para crescer.

 

Saiba mais como fazer a melhor escolha para sua carreira.

0009223251X-1920x12802

Qual foi a última vez que você atualizou seu currículo profissional?

Jovens perdem ótimas oportunidades de trabalho por não atualizarem dados e informações no seu currículo com mais frequência.

Hoje em dia, empresas buscam profissionais qualificados e os currículos desatualizados são os primeiros a serem descartados. O currículo é um cartão de visita, mantenha-o atualizado!

Estudo garante que jovens demoram até seis meses para atualizar o currículo. Leia mais sobre o tema no site da Folha de São Paulo. 

 

 

1207911_67279103

Como decolar na carreira de TI

Foi-se o tempo em que o profissional de TI ficava imerso em códigos e algoritmos, com os olhos fixos na tela, sem que a interação com colegas de trabalho fosse o seu forte durante o expediente.

Dominar as linguagens de programação não é mais o bastante para a carreira deslanchar. As empresas querem e contratam quem vai além deste perfil técnico. Por isso novas habilidades entram para o currículo de quem é destaque nos processos seletivos.

Exame.com consultou dois especialistas que atuam no mercado de TI para saber quais são as competências mais valorizadas por eles na hora de bater o martelo sobre uma contratação. Confira quais as dicas que eles deram para aumentar as chances da carreira em TI decolar:

1 Entenda o negócio

“Parece básico, mas tem sido um diferencial para profissionais de TI”, diz Odair Marcondes, diretor de serviços da CAS Tecnologia, empresa especializada em soluções de automação, armazenamento e leitura de dados.

Conhecer o mercado em que está inserida a empresa, como ela atua, qual é o seu produto é condição fundamental para que o profissional de TI tenha uma visão mais ampla dos negócios, de acordo com Marcondes. “Essa habilidade agrega valor interessante e diminui o tempo de desenvolvimento das soluções de TI”, diz.

“Na parte de negócios são poucos que se destacam, falta aos profissionais essa capacidade de abrir a visão dos negócios”, diz Paulo Kulikovsky, vice-presidente da Certisign, que atua com certificação digital no país. “É importante saber em que mercado está inserido o produto, não apenas codificar dados”, concorda Marcondes.

2 Tenha a visão voltada pra o cliente

De nada adianta desenvolver a mais eficiente e sofisticada das ferramentas se o cliente não vai conseguir trabalhar de forma fácil.
Por isso, na opinião de Kulikovsky, o olhar do profissional de TI deve ir muito além muito dos códigos que aparecem na sua tela.

“É preciso entender o outro lado da história, pensar no cliente, olhar pelo lado dele”, diz o vice-presidente da Certisign. A proximidade é importante para que o profissional de TI consiga sugerir soluções que atendam às especificidades de cada cliente.

3 Trabalhe em equipe

Ficar restrito à mesa – sem olhar muito para o lado – é um estereótipo antigo comumente usado na definição dos profissionais de TI. Hoje em dia, postura nessa linha passou a ser um limitador de carreira. “Não há mais espaço para um profissional que, em tese, acha que está tudo certo se ele está fazendo a parte dele”, diz Marcondes.

Apostar na interação com os colegas do mesmo e de outros é uma qualidade muito valorizada. “O trabalho em equipe é importante para que o profissional saiba o que deve fazer para que a engrenagem gere o menor ruído possível”, diz Marcondes.

4 Aposte na sua capacidade de comunicação e negociação

Vender uma ideia, sugerir, propor e negociar soluções exige do profissional de TI um investimento na sua capacidade de comunicação.
Afinal traduzir a linguagem técnica para quem é leigo não é tarefa das mais simples. “Para isso é essencial conseguir se expressar bem”, diz Kulikovsky.

Do contrário, explica o vice-presidente da Certisign, fica difícil mostrar as pessoas o que foi gerado de valor. “É preciso fazer apresentações ao vivo, redigir relatórios, emails”, lembra Kulikovsky.

5 Complete os ciclos nas empresas

“Aqui analisamos currículo de uma pessoa que, em dois anos, passou por cinco empresas. Nesses casos a gente já descarta esse profissional”, diz Marcondes.De acordo com ele, a movimentação intensa de carreira (sem muito critério de escolha das empresas) é prejudicial para a qualidade do trabalho .

“O pior é o profissional que pula de um trabalho para outro, porque se ele não fica muito tempo na empresa não consegue agregar valor com a experiência do negócio”, diz Marcondes. Ele lembra que é mais fácil aprender uma linguagem nova de programação do que se inserir em um negócio.

 

Exame – 29/01/2013

Link de origem